terça-feira, 18 de maio de 2010

Ação cultural em bibliotecas - reflexões por Tânia Callegaro


Com o propósito de refletir sobre a vivência do bibliotecário no âmbito das ações culturais em bibliotecas, sejam elas públicas ou não, conversamos com a professora Tânia Callegaro, docente da FaBCI - FESPSP, que colaborou gentilmente com algumas reflexões a respeito do assunto, as quais disponibilizamos aqui, e solicitamos sua colaboração para enriquecer esse espaço de discussão.

Você costuma participar de eventos culturais em bibliotecas? Quais as suas impressões sobre a ação cultural das bibliotecas hoje?

Eu já participei de eventos culturais próximos à bibliotecas, porém nunca ficou claro para mim, como público, se havia uma relação direta com a biblioteca, se a bibliotecária havia organizado, ajudado, ou coisa assim...; há alguns anos atrás, leio mais relatos de ação cultural em bibliotecas. Acho isso um mudança significativa e importante para o profissional de hoje. Só não enxerga quem não quer ver. Porém, quem está ainda na frente da mudança são as bibliotecas dos grandes bancos, ou das empresas, ou dos centros culturais, e ONGs. As públicas estão ainda um pouco tímidas.

Como você descreve a importância da disciplina de Ação Cultural dentro do curso de Biblioteconomia?

Acho que a Ação Cultural, junto com as novas tecnologias são divisores do antes e depois. Vejo que entender de tecnologia está na mesma relação de como utilizá-la à favor da democratização da informação, o que está, portanto, no âmbito da Ação Cultural. Hoje ser bibliotecário exige mais pesquisa, exprimentação, ousadia, criatividade e solidariedade.

Você considera que a atuação do bibliotecário como mediador cultural e a ampliação do conceito de biblioteca para centro cultural está muito longe de ser uma realidade? O que falta?

Não acho que estamos longe da ampliação do conceito do que é ser um bibliotecário mediador. Temos muitos exemplos de bons profissionais. Vocês são esses profissionais, pois apresentam um perfil muito diferente de quem se formou há muitos anos atrás.


Quais as suas sugestões para estudantes de Biblioteconomia e profissionais já formados que desejam atuar nessa área?


Estudar, ler, pesquisar, criar, ousar, trabalhar seriamente. Precisamos subverter a lógica da máquina, da burocracia e do conservadorismo.

Tânia é Doutora e Mestre em Ciência da Comunicação pelo Departamento de Rádio, Cinema e TV, da ECA/USP, tem Especialização em Arte Educação pela ECA/USP, além de ter se graduado em Educação Artística pelo Instituto Musical de São Paulo, IMSP.

Atua desde 1975 como docente em instituições públicas e privadas do ensino médio, superior e pós-graduação. Tem experiência como coordenadora e pesquisadora em projetos de comunicação e educação desenvolvidas a distância via internet e presencial. Seu objetivo de pesquisa e trabalho centralizou-se nos campos da comunicação coletiva, mediada pela tecnologia, arte e cultura.

Na FaBCI - FESPSP ministra as disciplinas: Teoria da Comunicação e Ação Cultural.


Agradecemos a colaboração da docente neste espaço!

Com a colaboração de Claudia Santos e Erilene Alencar.
Crédito imagens: Marli S. Vasconcelos

12 comentários:

Tati san disse...

Olá!!!! muito bom!!!! essa entrevista com a professora Tânia.Continuem assim, esse blog vai arrasar!!!!

Lescia Jatobá disse...

amei a entrevista! a Tânia é a CULTURA em pessoa! ela é hipermegainteligente e, cara, já viram o curriculo dela na FESPSP??? vejam! quando eu crescer, quero ser que nem ela! hahaha...!
um beijo para vocês! parabéns pelo blog e pela postagem!

Marli Vasconcellos disse...

Parabéns Meninas, a Tânia é supra suma em comunicação e cultura , muita 10 essa matéria e a sacada de vocês na entrevistas . Concordo com a Tãnia quando ela disse na entrevista : "Hoje ser bibliotecário exige mais pesquisa, exprimentação, ousadia, criatividade e solidariedade."
Sensacional esta definição Bjs Marli

Valéria Hosana disse...

Muito legal, a matéria está excelente, pois tem a ver com a discplina Ação Cultural, o nosso dia-a-dia (do bibliotecário), além de adorar a sugestão para nós estudantes de biblioteconomia.

Valéria disse...

Adorei! Muitas dicas de como o bibliotecário pode ser um profissional melhor, parabéns à equipe, abraços!

Márcia Santilone disse...

A entrevista é um alerta para nós estudantes de biblioteconomia. Vamos ficar antenados na mudança do perfil do profissional bibliotecário em uma insituição que cuida da infomração, memória e cultura...

bjs e parabéns

Lívias disse...

A Tânia é uma das professoras que mudou minha visão sobre as competências do profissional bibliotecário. Ótima entrevista!

lidia disse...

Muito boa a matéria. Vocês estão de parabéns. É sempre muito bom compartilhar as idéias e as experiências da profa. Tânia, que nos faz refletir sobre o perfil no novo bibliotecário.

Tauany Pazini disse...

Muito legal a entrevista meninas, parabéns! Concordo com a prof. Tânia e acho a matéria dela de Ação Cultural super importante para nosso curso!

Marina Santos disse...

Realmente!! a profª Tãnia conseguiu passar uma verdadeira lição do que é ação cultural e quanto nós podemos contribuir para que essa ação continue.
Parabéns pelo blog

João Carlos disse...

Muitas vezes o bibliotecário tem o papel de ser o incentivador da leitura. Faz parte do trabalho? De forma indireta eu acredito que sim. Ele tem que informar, orientar e até mesmo divulgar leituras que ele ache interessante e/ou importante para aquele ou aquela leitora.

Tem de haver paciência e empatia para ser um bibliotecário. Fundamental se lembrar também que o frequentador da bibliotéca nem sempre é um leitor assíduo ou um amante dos livros, e que se não for bem tratado ou orientado de forma correta, pode continuar na escuridão literária, o que infelizmente, domina o país em diversas camadas sociais.

João Carlos disse...

PS: Parabéns pelo blog... que deveria ser continuado ao termino do trabalho!!

Postar um comentário